Petição "Loriga a concelho"

Esta petição serve uníca e exclusivamente para alertar todos os Loriguenses e amigos sobre o sistemático abandono que Seia tem presenteado Loriga e toda a região circundante, aos longo dos tempos, contribuindo assim para a falta de recursos humanos, sociais, culturais, desportivos e lazer. Assine e divulgue. http://www.peticao.com.pt/loriga

segunda-feira, 17 de setembro de 2007

A gineta

Nome cientifico: Genetta genetta


Identificação
Carnívoro de origem africana de médio porte cuja pelagem acinzentada do corpo apresenta uma série de manchas negras que aparentam formar linhas longitudinais. A cauda, de tamanho semelhante ao do corpo, apresenta anéis negros que alternam com o cinzento da pelagem.
A sua presença é mais facilmente detectada através dos seus indícios de presença: pegadas e latrinas.

Na foto: uma Gineta vitima de um atropolamento jaz morta na berma da estrada 231, próximo de Loriga(Agosto 2007)


Ecologia
Espécie florestal, embora devido à sua grande plasticidade adaptativa possa colonizar a grande maioria dos habitats, podendo ser encontrada até aos 2000 m de altitude (nos Pirinéus). Hábitos crepusculares ou nocturnos, repousando durante o dia no interior de árvores, normalmente de idade avançada e com grande diâmetro, em silvados ou sob rochas.
É predador omnívoro, que se alimenta preferencialmente de roedores (ratos-do-campo), mas podendo consumir também répteis, frutos e insectos, consoante a área geográfica e a altura do ano considerada.
É um carnívoro solitário e territorial cujas áreas vitais, podem ser sobrepostas somente entre indivíduos de sexos diferentes (machos e fêmeas). Utiliza os excrementos, depositados em latrinas, como veículo de marcação do território e de comunicação intraespecífica.


Reprodução
Reproduz-se ao longo de todo o ano com dois picos em Abril-Maio e Agosto-Setembro. As ninhadas, com uma média de 2-3 crias, deixam a toca ao fim de 8 semanas. Aos 6 meses são desmamadas e ficam completamente independentes ao 12 meses de idade. Atingem a maturidade sexual aos 2 anos.

Classificada como espécie Pouco Preocupante (LC), mas incluída no anexo III da convenção de Berna.
Factores de ameaça
Os principais factores de ameaça estão relacionados directamente com actividades humanas, nomeadamente com as medidas de controle de predadores implementadas pelas Zonas de Caça dos diversos regimes cinegéticos e a elevada densidade da rede viária. http://carnivora.fc.ul.pt/geneta.htm

3 comentários:

ljma disse...

As bermas das nossas estradas são locais fantásticos para se observar a "vida" selvagem, não são? ;)

Saudações
José Amoreira

PS: aproveito para divulgar um blogue que descobri há pouco, justamente sobre este assunto:
http://deolhosnasestradadas.blogspot.com/

Pedro amaro disse...

Realmente é verdade, as nossas estradas são o cemitério de muitos dos nossos animais selvagens. Em alguns casos estas situações poderiam ser evitadas, quer com sinais se trânsito, quer pela consciencializaçao dos condutores.
um abraço

De olhos na estrada disse...

Olá tive conheciemento desta noticia e decidi copia-la para o meu blog, espero que não levem a mal está lá a referencia, e a ligação para aqui.
Quando tiverem novos casos agradeço, o envio para deolhosnasestradas@gmail.com.
Saudações